O povo marroquino comemora nesta quinta-feira o 74º aniversário da apresentação do Manifesto da Independência (11 de Janeiro de 1944), um gesto ousado que ilustrou a simbiose perfeita entre o movimento nacional e o Glorioso Trono Alaouite, na luta para retirar o Reino do jugo do colonialismo. Este evento, inscrito em letras douradas na história de Marrocos, inaugurou uma nova era ao selar um pacto histórico entre o herói da Libertação, o falecido SM Mohammed V e os líderes do Movimento Nacional, em ilustração da vontade comum do Trono e do povo em acabar com o Protectorado para embarcar na construção de um Marrocos livre e independente. Mais do que um simples documento assinado e submetido às autoridades coloniais, este Manifesto era na época um verdadeiro ato de bravura cujas consequências eram bastante imprevisíveis. A publicação do Manifesto da Independência foi, de fato, o resultado de intensos contactos entre o Palácio Real e o Movimento Nacional e foi a progressão lógica que coroou mais de trinta anos de uma luta de longo prazo do povo marroquino em todas as regiões do Reino. Esta foi uma verdadeira revolução nacional que reflectiu a maturidade dos marroquinos e a sua determinação em continuar a luta até a conquista da vitória final, graças ao glorioso épico conduzido conjuntamente pelo Trono e pelo povo.