Programa de auto-estradas

    As perspectivas económicas de crescimento, bem como o papel que Marrocos detém no comércio internacional, especialmente em África, exigiram a satisfação das necessidades de crescimento dos serviços de transporte e da infra-estrutura rodoviária do país.
    Ocupando uma posição geográfica privilegiada, no cruzamento das regiões com elevado potencial de desenvolvimento, Marrocos desenvolveu um ambicioso projecto de canais de comunicação para o tráfego pesado reforçando a sua posição nas rotas comerciais internacionais e promovendo a abertura ao mundo exterior.
    A nível nacional, a construção de uma rede rodoviária principal precisava de mais do que o crescimento do tráfego rodoviário anunciado para 2010, e dos níveis de congestionamento ao longo de 1000 km de estradas vitais para o país.
     

    A marginal mediterrânica
    A marginal mediterrânica constitui um eixo estruturante de forte impacto sobre o desenvolvimento económico e social do Norte de Marrocos. Esta via liga as cidades de Tânger a Saidia, reduzindo o tempo de viagem de 11 para 7 horas e melhorando significativamente as condições de conforto e segurança dos utentes.
     



    TANGER MED uma nova porta para o mundo

    Como parte da abertura ao investimento internacional e da adesão à economia global, Marrocos construiu na região nordeste um novo complexo portuário, industrial e comercial em torno de um grande porto no Estreito Tânger-Mediterrâneo, no cruzamento das principais rotas de navegação mundial (15 km da Europa).
    Com uma vocação de transbordo de mercadorias, este complexo será feito numa zona de logística comercial e industrial, com infra-estruturas rodoviárias eficientes, transporte ferroviário e comunicações. Todo este projecto irá incluir:
    . Um porto de águas profundas, expansão das actividades de contentores, TIR, cereais, carga geral e de passageiros;
    • Uma zona livre de 98 hectares em Wadi R'Mel para o armazenamento de mercadorias e de tratamento/ controlo da qualidade;
    • Algumas zonas industriais localizadas na região de Tanger-Tetuão, que visam principalmente as indústrias de exportação de produção orientada;
    • Um zona «duty free»/ comercial 125 ha;
    • Ligações das infra-estruturas que incluem:
    o Uma auto-estrada que liga a área comercial ao porto;
    o Uma ligação ferroviária entre Tânger e o complexo portuário/ zonas francas.
     


    O complexo integrado, cuja realização requer um investimento total estimado em 15 mil milhões de dirhams, visa:
    • Criação de empregos, atraindo empresas para as zonas de processamento de exportação;
    • Promover a penetração dos mercados externos por empresas exportadoras em zonas de processamento de exportação;
    • Captura de novos fluxos de receitas para a actividade portuária;
    • Promover o desenvolvimento turístico;
    • Equilibrar a região, fornecendo o norte com uma infra-estrutura económica e de qualidade.
    Projectos aeronáuticos em curso
    Num esforço contínuo para que a indústria de aviação do país fique a par da evolução mundial, o Ministério das Infra-estruturas e Transportes planeou, como parte de um programa abrangente para integrar as orientações gerais do desenvolvimento do país, com especial referência aos desafios que o sector enfrenta, as seguintes medidas:
    1. A preparação da integração da aviação marroquina no âmbito da aviação europeia.
    2. Aumento da capacidade dos aeroportos para acomodar 10 milhões de turistas em 2010.
    3. Integração com sistemas de navegação modernos.
    4. Conformidade com as novas exigências para a segurança do transporte aéreo.
    Esta visão decorre do papel a ser desempenhado pela actividade aeronáutica como uma alavanca para o desenvolvimento máximo do potencial económico, nacional e regional no quadro da dinâmica de globalização.
    Neste plano de desenvolvimento para o sector da aviação, Marrocos compromete-se em fornecer a modernização das plataformas, bem como eficiência para os aeroportos e equipamentos aeronáuticos para que estes cumpram as normas internacionais que regem o sector de aviação civil, a fim de estabelecer as condições e capacidade de crescimento e desenvolvimento do transporte aéreo no nosso país. O objectivo fundamental é contribuir para reforçar a competitividade nacional no contexto da globalização económica e da liberalização dos transportes aéreos.
    Os principais aeroportos internacionais capazes de acomodar todos os tipos de aeronaves existentes são:
    • Mohammed V de Casablanca
    • Agadir Almassira
    • Ibn Battuta Tânger
    • Marrakech Menara
    • Oujda-Angad
    • Rabat Sale
    • Saïss Fez
    • Arou Nador
    • Al-Hoceima Charif Idrissi
    • Laayoune Hassan-1
    • Ouarzazate
    • Errachidia; Tetouan
    • Saniat R'Mel
    • Dakhla
    • Tan Tan
    • Essaouira
    • Benslimane
    • Bouarfa
    • Guelmime


    Reforma Ferroviária

    O sector ferroviário é um factor chave para o desenvolvimento económico e social, e oferece vantagens a nível da poupança de energia, da protecção ambiental, da segurança dos transportes e do congestionamento de tráfego nas principais estradas.
    Este sector deve crescer e adaptar-se às mudanças socioeconómicas resultantes do desenvolvimento global do país. Por conseguinte, é essencial estabelecer um quadro jurídico e regulamentar, em perfeita harmonia com os imperativos nacionais e internacionais, para estimular a iniciativa privada com vista a treinar os operadores em situação de concorrência em benefício dos usuários, garantindo a continuidade do Estado e os princípios do serviço público.

    Assim, o sector ferroviário tem assistido à consolidação do quadro institucional através da adopção da Lei nº 52,03 que define o quadro legal de todo este sector ferroviário:
    • A configuração e constituição da rede ferroviária nacional;
    • A liberalização das actividades de gestão dos transportes ferroviários pode ser terciarizada para empresas em regime de concessão de gestão de infra-estrutura de acordos ou de operação de caminhos-de-ferro;
    • A criação da Companhia dos Caminhos-de-ferro de Marrocos (SMCF), que irá substituir a Ferroviária Nacional.

    Para saber mais:
    Monitor dos grandes projectos de Marrocos