Marrocos tem um potencial enorme em energia solar (irradiação de 5 kWh por m2/dia e 3 mil horas de sol por ano)

    Marrocos beneficia de uma localização estratégica no coração do Mediterrâneo para se tornar numa plataforma para o comércio global de energia eléctrica.

    O projecto de energia solar, que foi inaugurado por Sua Majestade o Rei em 2009 em Ouarzazate, faz parte de uma estratégia energética nacional, que visa:

    - A redução da dependência nacional de energia: Em última análise, perspectiva economizar combustível anualmente um milhão de toneladas de petróleo.
    - Preservação do meio ambiente, limitando as emissões de gases com efeito de estufa lutando assim contra as alterações climáticas: evitando a emissão de 3,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano.
    - Desenvolvimento de uma industria de dessalinização através da energia solar.
    - Criar sinergias entre várias regiões.
    - Criação de emprego.

    Este projeto internacional visa estabelecer, em 2020, uma capacidade de 2.000 megawatts, ou 38% da capacidade instalada no final de 2008 e 14% de energia elétrica em 2020, divididos igualmente entre o solar , eólico e hidroelétrica.

    O projecto proposto irá fornecer uma capacidade de produção anual de 4.500 GW, ou seja, 18% da produção nacional actual.

    Cinco locais foram identificados para o lançamento deste projecto: Ouarzazate, Mathar BNI Ain, Al Oued Foum, Bojador e Tah Sebkhat.

    Em termos técnicos, o projecto irá utilizar as mais avançadas tecnologias disponíveis, enquanto será realizado um monitoramento pró-activo para acompanhar o seu desenvolvimento. Será criado um Centro de investigação no domínio do ambiente, energia e materiais promovendo assim a transferência de know-how e tecnologia.


    O pacote de financiamento do projecto prevê um orçamento de 9 mil milhões de dólares e requer o apoio de parceiros públicos e privados no âmbito do financiamento em condições preferenciais e não preferenciais.

    No plano institucional, uma agência marroquina de energia solar será também criada,  com o Estado como maior accionista, para garantir a implementação estratégica dos projectos.

    Quanto aos prazos, o projecto será concluído no final de 2019 e a data da abertura da primeira fábrica em 2015.