Marrocos é uma democracia pluralista: artigo 3 º da Constituição de 1996 estabelece que "os partidos políticos, sindicatos, autoridades locais e associações profissionais” em conjunto são representações dos cidadãos. Nega-se o sistema de partido único.
    Marrocos tem um número muito grande de partidos políticos, sindicatos e organizações. Conta actualmente mais de 34 partidos políticos de todas as tendências. Em 1933 nasceu a primeira estrutura política do país, simbolizada na Koutla de Acção Nacional. No mesmo ano, a cidade de Tetuão assistiu ao nascimento de um segundo partido político, o Partido da Reforma Nacional. Em 1937, em Fez, nasceu o Partido da Reformista, presidido por Allal El Fassi, futuro líder do Partido Istiqlal, que seria criado posteriormente.  
    Mais tarde surgem outros partidos. É o caso do Partido Comunista Marroquino (PCM), fundado em 24 de Janeiro de 1943, o Partido Istiqlal (IP), fundado em 1944 e o Partido Democrático e da Independência (PDI), que apareceu em 1946.
    Estes dois últimos fizeram parte do Comité de Acção Nacional, instituição criada na década de trinta por nacionalistas marroquinos, para lutar contra a ocupação colonial e apresentar pedidos de reformas políticas e sociais do protectorado francês.
     Por outro lado, o PCM irá experimentar um período muito difícil. Banido em 1952, reaparece em 1969, sob o nome de Partido do Socialismo e Libertação (PLS). Mais tarde, é legalizado em 1974 sob o nome de Partido do Progresso e do Socialismo (PPS).
    No período de 1956 a 1999 surgem doze partidos, incluindo o Movimento Popular (MP), criado em Dezembro de 1958, a Frente de Independência e da Shura (FDIC), em 1963, o Movimento Popular Democrático e Constitucional (MPDC), rebaptizado mais tarde de Partido da Justiça e de Partido para o Desenvolvimento (PJD).
    Três novos partidos são fundados na sequência da Marcha Verde: o Partido de Acção (PA) em 1974, a União Socialista das Forças Populares (USFP), em 1975, e o Sindicato Nacional das Forças Populares  (UNFP), criado em Outubro de 1959.
    Três novas formações políticas aparecem no cenário político marroquino na década seguinte: o Partido Nacional Democrático (NDP), em 1979, a União Constitucional (UC) em 1983, e o Partido do Centro Social (PCS) em 1984.
    Cinco outras forças políticas surgem na década de 90: o Partido da Vanguarda Democrática Social (PADS), fundado em 1991, o Movimento Nacional Popular (MNP), o Movimento Democrático Social (MDS) e o Partido Socialista Democrata (PSD), em 1996, e o Partido da Frente das Forças Democráticas (FFD), em 1997.
    Quanto aos partidos "do novo milénio", foram estabelecidos quatro em 2001: União Democrática (UD), partido dos cidadãos (CTP), Ittihad Congresso Nacional (INC) e o Partido da Reforma e Desenvolvimento (PRD).
    Seis outros partidos surgiram em 2002: Aliança das Liberdades (ADL), Iniciativas de Cidadania para o Desenvolvimento (ICD), partido de Renovação (PRE), Partido do Meio Ambiente e Desenvolvimento (PED), e o Partido Liberal marroquino (PML).
    Em 2002, apareceu o Partido Socialista Unificado da Esquerda (PGSU), que é o resultado de uma fusão entre a Organização dos Democratas e Acção Popular (OADP) e o Movimento dos Democratas Independentes (MDI) e ainda o Movimento para a Democracia (MPD). Actualmente este partido mudou de nome, transformando-se no Partido Socialista Unificado (PSU).