Na vida institucional de Marrocos, o parlamentarismo sempre foi o culminar de uma acção conjunta entre a monarquia e a sociedade civil, pois sempre acreditaram nas virtudes de um governo representativo e no estabelecimento de uma monarquia constitucional e democrática. Após 1963 Marrocos adoptou uma, e duas câmaras, respectivamente. A tradição de representação parlamentar popular tem agora mais de 40 anos.
    A Constituição de 31 de Julho de 1970 abandonou o sistema de duas câmaras optando por uma única Assembleia. A Câmara dos Representantes (Parlamento) é eleita por seis anos. Um terço dos membros é eleito por sufrágio universal directo e os outros dois por sufrágio universal indirecto.
    As legislaturas seguintes de 1977, 1984 e 1993, são de uma única câmara. A legislatura é de seis anos, sendo a Câmara dos Representantes composta na proporção de dois terços dos membros eleitos por sufrágio universal directo e um terço eleitos indirectamente por um conselho composto por eleitos locais, representantes dos profissionais e representantes dos trabalhadores.
    A revisão da constituição de 13 de Setembro de 1996 reintroduziu um sistema bicameral. A função legislativa passou por alterações no novo texto constitucional através da criação de um novo processo de comunicação entre as duas câmaras (Parlamento e Senado). Em caso de não existir acordo entre as duas câmaras no mesmo texto, o governo deve criar uma comissão mista para conseguir a aprovação de um texto único.
    No caso de não haver acordo, mesmo após a apresentação do texto pela Comissão Mista, a última palavra vai para a Câmara dos Deputados.

    Site da Câmara dos Representantes (Parlamento)

    Website da Câmara dos Conselheiros (Senado)