O Acordo de Agadir é o prelúdio de um mercado livre para o comércio euromediterrânico.
    Assinado a 25 de Fevereiro de 2004, criou uma zona de comércio livre árabe, que actualmente inclui Egipto, Jordânia, Marrocos e Tunísia. A Comissão Europeia tem apoiado esta iniciativa na frente política, desde a assinatura da Declaração de Agadir em Maio de 2001, e apoia-a com um programa de 4 milhões de euros.
    A Argélia tem uma oposição firme e recusa as exigências da UE e dos seus vizinhos do Norte de África, preferindo oficialmente a integração económica da UMA (União do Magrebe Árabe).
    Os países do Acordo de Agadir têm uma estrutura permanente ATU (Agadir Unidade Técnica) que foi criada e estabelecida com sede em Amã. O primeiro dirigente, com um mandato de 5 anos, é o tunisino Ferid Tounsi, nomeado por consenso.